Tira Dúvidas

Este espaço é destinado para você compartilhar suas dúvidas com outros leitores do site. O Núcleo da Saúde tem recebido muitos e-mails com perguntas sobre os mais variados assuntos. Grande parte das questões reproduzidas abaixo, certamente são comuns a muitos outros leitores. Não deixe de perguntar, tire suas dúvidas e fale conosco!

  1. Gisele, Santo André - SP

    Reações 'estranhas' após a relação

    Tive uma relação sexual (com camisinha), e logo após comecei a sentir pequenas dores na vagina, coceiras, e corrimento. Isso já faz uma semana. O que posso fazer? Tem alguma pomada que posso passar?

    1. Caso ainda não tenha feito, você deve fazer uma visita urgente ao seu ginecologista para que ele possa lhe examinar.
      Saiba que após o relacionamento sexual, eventualmente, podem ocorrer irritações na região vaginal que causam coceira (prurido), corrimentos (secreção vaginal) com odor fétido, dores e até pequenos sangramentos que muitas vezes são decorrentes do uso do preservativo (alergia ao produto). Nesses casos, aconselho que você troque a marca da camisinha.
      Porém, muitas vezes a causa desses sintomas pode ser uma DST (Doença Sexualmente Transmissível) e nesse caso, é indispensável uma boa avaliação médica para o devido tratamento. 
      Se ainda você está com qualquer irritação e não teve tempo para ir ao seu ginecologista, use preventivamente, até a consulta, uma solução para a chamada higiene íntima, que você pode comprar em qualquer farmácia a base de Permanganato de Potássio (confirme se você não é alérgica a este produto), que vem em pequenos comprimidos para serem dissolvidos em água (1 comprimido em 1 litro de água), de preferência morna e faça a lavagem na região afetada externamente.
      Não se esqueça: consulte seu médico e faça regularmente os exames preventivos: o PAPANICOLAU (Preventivo de Câncer Ginecológico) e a COLPOSCOPIA (avaliação mais detalhada do colo uterino), duas vezes ao ano (de 6 em 6 meses) é muito mais seguro!


  2. Ana Cristina, de Minas Gerais

    Ansiedade x Gravidez

    Minha imensa vontade de ter um filho pode atrapalhar na hora de engravidar?

    1. Você tem razão quando diz que a sua "vontade imensa" de ter um filho pode atrapalhar. E sabe por quê? Porque acima de sua vontade existe o seu cérebro que manda em todo o seu corpo e quando as emoções são muito fortes elas passam a determinar necessidades que desagradam as razões, alterando, em casos mais extremos, até a sua ovulação. Esses bloqueios ocorrem através de ações que chamamos de neuro-endócrinas.
      Portanto, o equilíbrio entre razão/emoção deve ser essencial em tudo nesta vida. Procure pensar não só em gerar um filho, mas também em viver bem e com qualidade de vida! Diminua sua ansiedade. Isso vai lhe fazer bem! Pode ser difícil mas não é impossível!


  3. Danielle, Rio de Janeiro

    Ardor e dificuldades em urinar

    Gostaria de saber quais são os sintomas da Cistite e quais os tipos de tratamento indicados?

    1. Normalmente, os sintomas da Cistite são o ardor ao urinar  queimação e eventualmente dores no baixo ventre (no pé da barriga). 
      Em alguns casos, essa dor é tão forte que a mulher mal consegue fazer xixi, dói muito! Outras vezes ela sente uma enorme vontade de fazer xixi, corre para o banheiro e não consegue fazer nada. E casos extremos, pode ocorrer sangramento. 
      Portanto, as queixas de Cistites podem ser várias, quase sempre voltadas ao desejo de urinar sem sucesso associadas ao ardor e aos sangramentos.
      Nunca se esqueça que em quaisquer destes sintomas, procure rapidamente o seu médico. Afinal, é ele quem vai diagnosticar se é realmente Cistite, uma infecção urinária ou qualquer outra patologia. O tratamento vai depender do correto diagnóstico. Se uma doença não for bem diagnosticada e tratada poderá evoluir e agravar ainda mais o problema. Atenção: NUNCA se auto-medique. Procure sempre um médico. Ele é a melhor pessoa para lhe ajudar!


  4. Waléria, de São Paulo

    Espinhas, dor de cabeça e outros sintomas da TPM

    Gostaria de saber se o fato de ter espinhas aos 24 anos esta relacionado com o problema da TPM. Tenho fortes dores de cabeça, tenho os piores sintomas que possa imaginar. Até quando vou ter estes problemas? Será que tem cura?

    1. A TPM é responsável por muitas reações que antes as mulheres não entendiam. A acne pré-menstrual pode ser mais uma delas. As variações hormonais deste período podem levar a um aumento da oleosidade da pele caracterizando quadros de acnes. E este fato não está relacionado a idade. Não importa se você tem 14, 24 ou 34 anos, pois a idade nem sempre é um fator decisivo para que a TPM e seus sintomas apareçam.
      Estão embutidos aí, vários fatores orgânicos, nutricionais, ambientais, medicamentosos, emocionais, laborativos, educacionais, hereditários e até genéticos.
      Qualquer que seja o sintoma, não quer dizer que ele não tenha cura. É evidente que para cada sintoma existe uma boa análise e discernimento para o devido tratamento. Portanto, ao procurar seu médico, tente ajudá-lo, contando detalhadamente todos os seus sintomas, pois assim, ele terá mais subsídios para lhe ajudar a sair desta situação constrangedora e inconveniente.
      Não se esqueça que a medicina cresce a cada momento e que novos medicamentos e alternativas de tratamento estão ao seu dispor. Nunca faça nada sem antes consultar o seu médico! Você, por acaso, já ouviu falar da medicina ortomolecular? Quem sabe ela poderá lhe ajudar também!


  5. Michele, Vila Velha - ES

    Rubéola e Gravidez

    Gostaria de saber se uma mulher que pretende engravidar - ou que esteja no início da gravidez - tiver contato com uma pessoa contaminada por rubéola, oferece riscos para a criança? Sou vacinada há menos de seis meses contra a doença.

    1. Se uma mulher que estiver grávida e estiver fazendo pré-natal, o médico pedirá exames para avaliar se ela foi vacinada ou entrou em contato com alguém que já teve rubéola ou mesmo ela própria teve a doença que passou despercebida. Aí teremos 3 casos a considerar:

      1º a mulher nunca teve rubéola;
      2º a mulher entrou em contato com o vírus da rubéola e já está resistente. Ex: vacina ou contato anterior com a alguém doente;
      3º a mulher está contaminada.

      No 1º caso ela deverá, se estiver grávida, evitar o contato com pessoas suspeitas de serem portadoras de rubéola. 
      No 2º caso, ela terá maior resistência ou imunidade quanto ao contágio com a doença.
      No 3º caso ela terá maior possibilidade de transmitir ao feto, principalmente se for contagiada nos primeiros 3 meses de gestação, problemas que possam interferir na formação do bebê. Mesmo após o 3º mês de gestação, ainda existe a possibilidade de ocorrência de problemas no desenvolvimento da gravidez. O risco, neste caso, é muito maior e o bebê pode nascer com problemas.

      Por uma questão de segurança, caso a mulher tenha sido recentemente vacinada contra rubéola, orientamos para que ela pense em gravidez após 9 meses da vacinação.
      A vantagem da vacinação, é que tanto a mãe como o feto têm segurança contra a contaminação desta doença. Mas nunca se esqueça de fazer um bom pré-natal. Ele é fundamental para a saúde da mãe e da criança!


  6. Ana Paula, Atibaia - SP

    Problemas após interrupção de anticoncepcional

    Após vários anos fazendo uso de pílula anticoncepcional, decidi interromper o método por alguns meses. Não senti alterações no meu ciclo menstrual, mas agora, quando recomecei o tratamento, minha menstruação desregulou logo na primeira cartela. Nesse mesmo mês, minha menstruação veio três vezes! Isto é normal? Porque aconteceu isto comigo?

    1. O uso do anticoncepcional contínuo, com poucas ou nenhuma, pausa (entenda aqui que a pausa seria intervalo de 1 mês sem o uso de pílulas) poderá trazer um chamado "escape hormonal" que faz com que ocorra sangramentos fora do periodo considerado menstrual.
      Na verdade, este fato não ocorre normalmente, porém em cada caso o organismo reage de uma maneira. Muitas vezes as bulas dos medicamentos trazem os chamados "efeitos colaterais" que indicam fatos que poderão ocorrer como o que você descreveu.
      Em todo caso, você não deve parar com o uso do anticoncepcional, mesmo que ocorra sangramentos, pois uma nova interrupção poderá alterar a função da atuação do hormônio da pílula no seu organismo, diminuindo sua eficácia.
      Seria bom você marcar uma consulta em seu médico. Conversando com você, ele terá mais detalhes do que está ocorrendo e poderá traçar um diagnóstico mais preciso.